Faça seu site!
Home > Noticias > Conta de luz dos mineiros fica 5,93% mais cara a partir de hoje.

NOTICIAS

Aneel autorizou reajuste na conta de luz

8/04/2015 - 02:35:33

Conta de luz dos mineiros fica 5,93% mais cara a partir de hoje.

 

A partir desta quarta-feira (8), a conta de luz dos mineiros ficará 5,93% mais cara. O reajuste foi autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), durante Reunião Pública realizada na manhã desta terça-feira (7).



Conforme a agência regulamentadora, o aumento irá atingir 8 milhões de consumidores residenciais (Classe B1) de 805 municípios do Estado atendidos pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) .



Este foi o quarto reajuste aplicado no ano. No início de março, a conta de luz dos clientes da Cemig tiveram aumento de 28,8%, em média. Para as residências, o reajuste foi de 21,39%. A elevação fez parte da Revisão Tarifária Extraordinária (RTE), que abrangeu 58 distribuidoras no país (média de 23,3%).



Os demais foram aplicados de forma extraordinária, para cobrir rombos no caixa das distribuidoras provocados pela seca, que elevou o custo da eletricidade. Com os reservatórios baixos, foi preciso acionar usinas térmicas, que têm custo de geração maior.



A elevação fez parte da Revisão Tarifária Extraordinária (RTE), que abrangeu 58 distribuidoras no país (média de 23,3%).

 

 

Cálculo



Segundo a Aneel, o efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 69 a 230 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (rural (subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).



Ao calcular o reajuste, a agência considera a variação de custos que a empresa teve no ano. O cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M, e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada, encargos de transmissão e encargos setoriais.

 

 

 

 

Fonte: hoje em dia

COMPARTILHE

COMENTE

Top 10 Mundo Mix

Notícias

Vídeos